quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A Necessidade do Desenvolvimento do Mercado de Capitais e de sua Popularização - Frederico Matias Bacic




O mercado de capitais forma um sistema no qual ocorre a distribuição de valores mobiliários, que tem como objetivo a criação de liquidez aos títulos emitidos pelas empresas e viabilizar o processo de capitalização destas.  Este sistema é composto pela bolsa de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras devidamente autorizadas.
Neste mercado, os principais títulos negociados são as ações e as debêntures (é importante frisar que estes não são os únicos títulos negociados no mercado de capitais), sendo assim, ocorre a circulação do capital, que é utilizado para custear o desenvolvimento econômico e crescimento destas empresas.
O mercado de capitais promove a conexão entre o montante poupado por determinada parcelada da sociedade e o investimento das empresas. Em outras palavras o mercado de capitais canaliza o dinheiro aplicado pelos investidores para o investimento produtivo. Sendo assim, o mercado de capitais possui um papel de grande importância no desenvolvimento econômico, pois aumenta a capacidade de capitação de recursos e realização de investimentos nas empresas, melhorando, também, os níveis de emprego e renda da sociedade.

Em um país como o Brasil, onde o crédito de longo prazo é escasso e praticamente realizado apenas pelos bancos públicos, o mercado de capitais tem um papel importante, pois abre uma alternativa para o financiamento dos investimentos das empresas. É claro que para que esse mercado deve ser devidamente monitorado e regulado, para que sejam evitadas operações que coloquem em “xeque” essa estrutura e consequentemente o desenvolvimento econômico.
No Brasil a participação dos investidores, pessoa física, na Bolsa de Valores ainda é pequena, representando uma minúscula fração da população total. Além disso, a participação destes investidores está concentrada em apenas dois estados: São Paulo e Rio de Janeiro. Juntos estes estados concentram mais de 200 mil investidores, atingindo 62% de participação, enquanto que o resto do país abriga pouco mais de 123 mil investidores[1]. Situação muito divergente da encontrada nos Estados Unidos, onde cerca de metade da população adulta investe no mercado de ações.
De acordo com os jornalistas Graziella Valenti e Fernando Torres, do jornal Valor Econômico, “entre 2004 a 2009, os recursos captados no mercado de capitais representavam, em média, 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB). Para que a economia mostre crescimento entre 4,5% e 5,5%, de 2010 a 2013, esse percentual terá de subir para intervalo entre 3,5% e 5,5%, mantida a participação histórica das demais fontes de financiamento ao investimento”.
É importante lembrar que quando comparada com economias desenvolvidas o número de empresas que estão listadas na bolsa de valores brasileira ainda é muito pequeno. Das cerca de 500 empresas brasileiras de capital aberto no Brasil, apenas 100 negociam com frequência no mercado de capitais.
Tanto pela falta da participação popular e das empresas, neste mercado, quanto pela baixa representatividade perante o PIB é possível observar que ainda existe um grande espaço para o desenvolvimento e crescimento do mercado de capitais no Brasil, quando comparado a economias com maior grau de desenvolvimento.
Precisa-se criar no Brasil uma cultura de investimento no mercado de capitais, tanto pela óptica das empresas quanto da população em geral. Por muitos anos viu-se no Brasil ganhos extraordinários, que atingiram até 40% ao ano, com o investimento em renda fixa.
Com o passar dos anos este cenário vem apresentando mudanças. A atual política monetária de redução da taxa básica de juros - SELIC, que afetou o rendimento da poupança, onde o rendimento passou a ser 70% da SELIC mais a T.R (isto quando a taxa básica de juros e igual ou inferior a 8% a.a) forçará, acredito que não em curto prazo, uma mudança no perfil das aplicações realizadas pela população brasileira, que terá que buscar novas alternativas de investimento para ganharem melhores rendimentos e para a manutenção do valor de suas reservas ao longo do tempo.
Além do investimento e incentivo à educação financeira é preciso desmitificar o pensamento dominantes que o investimento na em títulos negociados na bolsa de valores é restrito apenas a uma pequena parcela rica da população. A popularização das aplicações no mercado financeiro acarretará em um crescimento no mercado de capitais brasileiro e aumento do funding. Isto será de grande importância para o financiamento de investimentos empresarias e manutenção da riqueza da população e, por sua vez, para a manutenção do crescimento econômico.
Frederico Matias Bacic
Bibliografia
CARVALHO, DÉBORA -Bolsa de valores - A resistência das empresas - Ainda é pequeno número de empresas de capital aberto – IPEA – Desafios do Desenvolvimento
O Mercado de Capitais: Sua importância para o desenvolvimento e os entraves que se defronta no Brasil – Tendências Consultoria (Material BOVESPA)
MELLAGI FILHO, A. Mercado Financeiro e de Capitais: Uma introdução – Editora Atlas -1994


[1] Dados coletados referentes ao ano de 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário