quinta-feira, 21 de junho de 2012

EPTV: Décima primeira mais rica, Campinas tem 22,4 mil em situação de miséria

Um pouco sobre minha cidade. Notem o crescimento no número de miseráveis em um curto espaço de tempo.





Décima primeira cidade mais rica do país,Campinas tem 22,4 mil pessoas vivendo em extrema pobreza. Há dez anos eram 10,3 mil a menos, ou seja, a metrópole teve um crescimento de 85,1% no número de miseráveis. São moradores que convivem com até R$ 70 por mês, de acordo com um estudo divulgado pelo Grupo Técnico de Estudo e Análise (GTEA) com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010.


Segundo o último Censo, Campinas conta com cerca de 1,1 milhão de habitantes.A dona de casa Márcia Elias, que vive de pequenos serviços e cuida sozinha de cinco filhos, é um exemplo das moradoras de Campinas que vive em situação de miséria.


A casa onde ela mora no Jardim São Francisco chove dentro e nem sempre tem alimentação adequada aos seus filhos. “Comida a gente ganha daqui, ganha dali. É muito difícil quando o meu filho pede uma bolacha e eu não tenho”, afirmou ela.
Também moradora do bairro, a dona de casa Tereza de Araújo reside há 5 meses em um barraco de madeira. “Eu me sinto constrangida. Todo mundo deveria ter lugar para morar”, disse ela.

Para o cientista político Luís Renato Ribeiro, esta parte da população ainda não teve acesso à educação e ao crédito como a nova classe C do país. “Enquanto este ciclo não for quebrado, isso não mudará”, disse o cientista político.

Região

Na Região Metropolitana de Campinas (RMC) a extrema pobreza também teve crescimento. A elevação foi de 54,4%, saltando de 26,1 mil para 40,3 mil.

A RMC é formada pelos municípios: Americana, Arthur Nogueira, Campinas, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Itatiba, Jaguariúna, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Santa Bárbara d’Oeste, Santo Antônio de Posse, Sumaré, Valinhos e Vinhedo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário