segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Bolsa deve continuar instável em 2012, avalia especialista - Infomoney


Apesar deste início de ano animador, em que a Bolsa de Valores já conseguiu recuperar boa parte das perdas acumuladas em 2011 (até o fechamento desta sexta-feira, dia 20, o Ibovespa acumula alta de 9,79%), o investidor deve ter cautela com o mercado acionário em 2012. Isto porque, para o professor do Ibmec – MG, Juliano Pinheiro, este ano deve ter muita instabilidade no mercado de renda variável, apesar das boas perspectivas de crescimento do País.

“Vamos continuar com um sobe e desce, mas acho que, a partir do 4º trimestre, começamos a enxergar um cenário que não é possível ver hoje”, disse Pinheiro.


Segundo ele, entre outras coisas, o mercado brasileiro tem se favorecido das boas repercussões que a política econômica trouxe ao país, como a elevação da classificação de risco da dívida soberana alcançada em 2011.

“O Brasil conseguiu não apenas manter a confiança dos investidores como elevou sua classificação de risco em meio à crise”, afirmou. “O custo das emissões externas vem caindo a cada ano e estamos em patamares muito próximos a países desenvolvidos com segurança em relação a nossa moeda”, continuou o professor.
Perspectivas econômicas internacionais (e nacionais)

Entretanto, ele lembra que, no cenário internacional, a perspectiva ainda é de baixo crescimento, por conta da crise na zona do euro, que deve trazer recessão para muitos países com baixa capacidade de equilíbrio fiscal.

O professor também aponta que, pela primeira vez na história, a China registra uma população urbana maior que a rural, o que pode gerar problemas na produção de alimentos.

Em relação ao Brasil, Pinheiro alerta que o País deve enfrentar um descompasso entre oferta e demanda, com pressões inflacionárias causadas pelas commodities agrícolas, reajuste do transporte público, preço do etanol e serviços. Segundo ele, no País, “os riscos à estabilidade financeira devem ser trazidos pelo fluxo de capitais e pela expansão do crédito ao consumo com garantias incompatíveis”.

Um comentário:

  1. O professor está fazendo o dever de casa? Apenas repetindo o repetido? Acho justamente o oposto, o fluxo de capital está nos dando folga cambial e a expansão do crédito é o nosso carvão na fornalha do desenvolvimento.Se alguns países europeus vão encolher, os EUA com certeza irão crescer, pois esta "foda" no euro é orquestrada, quanto a China, "no stress", pois dança o mesmo rock. Falar em instabilidade em renda variável? Putz! Isso é inerente a este perfil de investimento, ou não? Dê uma olhada no quadradinho ao lado: Petr4 está 25,40 (24/01)? Dois meses atrás estava lá pelos 19,00, todo mundo fugindo de uma ação que marcava abaixo do seu VPA, não era para entrar ou para seguir a boiada? Bem eu entrei e vou pagar a Disney dos meninos com a besteirinha que realizei no pregão de hoje.Se fosse para os 17,00 eu iria atrasar meu IPVA, ou alguém acha que poderia virar pó? Fred, meu amigo, coloque mais Delfim, Conceição, Belluzo e não estes "especialistas" do lugar comum. Abraços!

    ResponderExcluir