quarta-feira, 19 de outubro de 2011

EUA jogam contra o euro - Valor Econômico


Por Assis Moreira | VALOR


Em meio à angústia vivida pela crise da dívida soberana na zona do euro, parte da elite francesa suspeita que os Estados Unidos querem destruir a moeda comum europeia.

Um dos representantes mais expressivos da tese é Jacques Attali, que durante uma década foi o principal assessor do presidente François Miterrand, o primeiro presidente do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento (Berd) e hoje figura incontornável no debate econômico na França. “Os EUA estão determinados a aniquilar o euro porque querem que o dólar continue sozinho com a única moeda internacional de reserva”, afirmou Attali.Christian de Boissieu, presidente do Conselho de Análise Econômica, órgão auxiliar do primeiro-ministro francês, é mais moderado, mas admite que “muita gente nos EUA gosta de concorrência, mas só até certo ponto, e certamente (os americanos) não gostam de concorrência de moedas”.

Já Philippe Moreau Defarges, vice-diretor do influente Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri) alerta: “O que provavelmente os EUA querem é uma Europa mais subordinada a eles”.Attali procura, porém, mostrar que sabe o que está falando, com base em sua experiência de mais de uma década no centro do poder acompanhando Miterrand. Ele considera que os EUA estão numa situação econômica “muito pior” do que a Europa. “O déficit externo, a dívida interna americana, tudo é pior”, diz. “O desemprego nos EUA não está em 10%, a cifra oficial, mas em 17%, levando-se em conta quem desistiu de buscar trabalho. Estados americanos estão falidos.”Para Attali, acusar a Europa dos estragos atuais na economia global “é ridículo”. Ele vê uma estratégia para manter os EUA com o “exorbitante privilégio” denunciado em 1968 pelo general de Gaulle, de imprimir dinheiro de forma ilimitada para financiar seus déficits.

Na medida em que o euro toma fatias como moeda internacional, empurra os EUA para, cedo ou tarde, ter que se financiar no próprio euro e yuan chinês. Sua hegemonia seria questionada.Christian Boisseau, do conselho ligado diretamente ao primeiro-ministro, diz não acreditar em teorias conspiratórias e ataques organizados contra o euro. Mas concorda que alguns setores políticos e fundos de hedge “estão confortáveis com a bagunça da zona euro”.Ele lembra que nos últimos 20 anos esse tem sido um debate recorrente no Federal Reserve, o BC americano. No começo dos anos 90, ele ouvia dos americanos que o euro não seria concretizado. Depois, quando foi lançado, que não funcionaria. “Hoje, se o principal concorrente do dólar enfrenta problemas, é bom para os EUA.”O conselheiro recorda que em 1971, quando a posição privilegiada do dólar sobreviveu ao colapso do regime de câmbio fixo, o então secretário do Tesouro americano, John Conolly, disse a europeus inquietos: “O dólar americano é nossa moeda, mas o problema é de vocês (’our currency, but your problem’)”.Mas isso tende a mudar. Boisseau nota que os EUA financiam hoje 95% de seu déficit externo em sua própria moeda, que podem imprimir sem limites. O dólar continua a ser a moeda de reserva internacional mais importante, com 61% das reservas detidas pelos bancos centrais.

Essa parcela correspondia a 70% no lançamento do euro em 1999. E, apesar de toda a crise da dívida soberana nos últimos dois anos, a fatia do euro não caiu e continua em 27%.“O euro é um projeto político e vai sobreviver. E o yuan chinês dentro de cinco a dez anos vai se tornar plenamente convertível. Teremos então um sistema de três moedas internacionais”, prevê ele. “Com isso os EUA vão ter mais problemas, terão de se financiar também em euro e yuan, passando do exorbitante privilégio para limitações”.Defarges, do Ifri, admite que “alguns americanos até queiram destruir o euro, mas não as autoridades, que sabem que isso seria um desastre também para os EUA”. Para ele, o projeto francês de impulsionar uma reforma do sistema monetário internacional, na cúpula do G-20 em Cannes, em novembro, não deve avançar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário