segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Existe praia na China? - João Ricardo Trevisan de Souza




Desde a primeira vez que vim para a China em 2008, uma das perguntas que mais escuto de brasileiros é “tem praia na China?”. A resposta para a pergunta é “sim”. Entretanto, o litoral não esta nem perto de ser uma grande atração do país, seja para os turistas chineses ou estrangeiros.
           
Por ano, a China recebe cerca de 56 milhões de turistas estrangeiros que gastam no país a quantia de 46 bilhões de dólares. A grande parte desses visitantes gasta seus dólares em pontos turísticos mundialmente conhecidos como a Grande Muralha da China, os Guerreiros de Terra-cota, a Cidade Proibida, Xangai, Tibete, etc. Outros optam por locais menos conhecidos no ocidente como Guilin, Jiuzhaigou, Emeishan, entre outros.
           

Além dessa massa de turistas internacionais, que leva a China a ser um dos países mais visitados do mundo, o turismo interno movimenta uma indústria avaliada em 777 bilhões de Yuan. Grande parte desses viajantes opta por utilizar a extensa malha ferroviária chinesa que cobre praticamente todo o território (chegando a pontos como Lhasa-Tibete e Urunqi-Xinjiang) e oferece transporte barato e seguro. Durante o mais tradicional dos feriados chineses, o ano novo chinês, as estimativas do Departamento de Ferrovias chinês, neste ano, foi de transportar mais de 230 milhões de pessoas, a maioria delas voltando para as suas terras natais.

Voltando a pergunta título, as praias chinesas são, com exceção da ilha/província Hainan, uma espécie de lado B do turismo. Elas estão espalhadas pela costa desde Qingdao até o Cantão e Hong Kong. Em sua maioria, essas praias são como nós estamos acostumados a ver nas fotos, abarrotadas de gente. No entanto, existem várias exceções, e se o turista estiver disposto a ir um pouco mais longe das grandes cidades, há boas opções. A dica, portanto, é fugir dos pontos mais conhecidos, a não ser é claro, que a intenção seja justamente sentir na pele a experiência de viver num país de 1,3 bilhões de pessoas.
           
Os costumes na praia também são totalmente diferentes dos brasileiros. Começando pela vestimenta: enquanto os homens vestem a tradicional sunga, as mulheres preferem esconder o corpo usando uma espécie de saia ou, até mesmo, um tipo de vestido. Como ir a praia não é parte da vida chinesa, eles não possuem os tradicionais apetrechos e tudo esta a venda ou locação: guarda-sol, bolas, esteiras, pranchas, bóias e etc. O último é lugar comum nas praias chinesas, em alguns momentos,  a impressão é que há mais bóias do que pessoas na água. Por fim, com a alegação de que são áreas de proteção natural, algumas dessas praias são pagas.

Há também algumas atrações turísticas complemente inusitadas e quase desconhecidas por estrangeiros e até mesmo chineses. Dois exemplos são uma antiga usina nuclear localizada dentro da maior caverna artificial do mundo em Chongqing e a cidade subterrânea em Pequim.
           
A antiga usina nuclear, antes um projeto secreto do exército, teve início em 1966 e término em 1984. A caverna de 104 mil metros quadrados foi construída com a ajuda de mais de 60.000 homens e foi projetada para suportar os impactos de um terremoto de 8 graus na escala Richter. Segundo relatos divulgados pelo jornal China Daily, o salão principal tem pé-direito de 80 metros e é tão grande quanto um estádio de futebol, além disso, a área conta com um antigo reator nuclear e computadores de algumas décadas atrás.

A cidade subterrânea de Pequim, por sua vez, foi construída no período da Revolução Cultural (1966-1978) pois havia o temor de uma possível guerra nuclear entre China e União Soviética. Diz a lenda que mais de 300 mil voluntários uniram forças para a construção do abrigo e, como não poderia deixar de ser, este labirinto de túneis e salas foi construída no estilo Revolução Cultural: na unha! Relatos dizem que a cidade abriga não apenas dormitórios, mas também, escolas, oficinas, locais para criação de fungos, cabeleireiro, e tudo mais que uma cidade normal tem.
           
Não existem informações oficiais sobre a extensão da cidade subterrânea ou sua exata localização, mas acredita-se que ela ocupe uma área de 85 quilômetros quadrados e seja grande o suficiente para abrigar 6 milhões de pessoas (pelo menos essa era a intenção no momento da criação).

Infelizmente, desde 2008, a cidade subterrânea esta fechada para turistas. Ironicamente, a alegação é que a área não é segura o suficiente para receber  visitantes.

Em suma, as opções são inúmeras. Ademais, há um esforço das várias esferas do governo para tornar a China um país mais “acessível” ao turismo internacional. Este movimento inclui treinamento de pessoal, investimento em infra-estrutura, conservação de áreas históricas e, é claro, propaganda.

João Ricardo Trevisan de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário