segunda-feira, 4 de julho de 2011

Sobre a política económica de Dominique Strauss-Kahn e a sua morte política

Leitura Recomentada! Dominique Strauss-Kahn (DSK) iria propor, na reunião em que participaria, caso não fosse preso, a criação de um moeda mundial. Com algo assim a hegemonia econômica dos Estados Unidos ficaria por um fio. Logo surge a ideia de um escândalo, que iria desmoralizá-lo e impedi-lo de colocar suas ideias em prática. (Para mais informações sobre o o falso escândalo leia  o texto postado anteriormente). 





por Yanis Varoufakis


O que se segue é acerca do significado económico e político da prisão de Dominique Strauss-Kah (DSK), o presidente do Fundo Monetário Internacional. Nada direi acerca dos méritos (ou falta deles) das acusações contra DSK. Todos os casos de alegado assalto sexual contra homens altamente colocados apresentam duas exigências igualmente importantes (embora muitas vezes contrapostas) a todos nós: a importância de respeitar a aflição da alegada vítima (bem como de respeitar a sua luta com o espectro do terror que todas as mulheres enfrentam quando se decidem a acusar um homem poderoso) e a obrigação de respeitar a presunção de inocência do acusado. É neste espírito que nada direi acerca do caso e concentrar-me-ei numa parte importante da política económica contemporânea.

Normalmente, a "eliminação" de um presidente do FMI não teria senão um efeito passageiro sobre a instituição. Suspeito que o afastamento de DSK será diferente. Não se trata apenas de DSK ser um peso pesado que pressionou o FMI a um modo diferente de pensar (adoptando uma abordagem mais subtil quanto às causas mais profundas de crises). Muito mais significativa é a maneira como ele parece entender o que faz a economia global funcionar. 


Para abreviar, darei um exemplo pungente – um exemplo cujo significado transcende todas as anedotas acerca da maior "condescendência" que DSK teria demonstrado durante as negociações UE-FMI-governo grego sobre os termos dos empréstimos maciços de salvamento da Grécia. Para reforçar meu argumento vou citá-lo directamente, ao invés de basear minha argumentação no ouvi dizer. 

Em Janeiro de 2011 DSK foi entrevistado por uma jornalista da BBC Radio 4 no contexto de um documentário sobre a história do FMI. [1] Próximo do fim do programa, ouvi a voz inconfundível de DSK a responder a uma pergunta da jornalista sobre como a economia global pode ser reconfigurada na sequência da Crise de 2008. A sua espantosa resposta foi:

Nunca no passado uma instituição como o FMI foi tão necessária como hoje ... Keynes, sessenta anos atrás, já previa que era necessária, mas era demasiado cedo. Agora é o momento de avançar. E penso que já estamos a fazê-lo!

Isto foi, na minha opinião, uma declaração programática explosiva, vinda do presidente do FMI. A que é que se estava a referir? Estava, naturalmente, a referir-se ao argumento poderosamente colocado por Keynes (no contexto da conferência de Bretton Woods em 1944) de que um sistema de taxas de câmbio fixas não pode sobreviver por muito tempo sem um mecanismo automático que trate (a) de excedentes comerciais sistemáticos e (b) de défices comerciais sistemáticos como os dois lados da mesma moeda problemática. 

A recomendação de Keynes era que, para tratar do efeito desestabilizador do sistema de défices e excedentes, o mundo precisava de um mecanismo que os reequilibrasse pela transferência de excedentes dos países excedentários para os deficitários. Em suma, o mundo precisava de um Mecanismo de Reciclagem de Excedentes (Surplus Recycling Mechanism, SRM). Clique aqui para um extenso, embora académico, relato dos argumentos em favor de um SRM. 

Isto era, muito naturalmente, uma sugestão radical. Os Estados Unidos, como era de esperar, rejeitaram a proposta – não, contudo, porque os new dealers no poder naquele tempo não reconhecessem a importância de um SRM a nível global, mas porque não gostavam da ideia do automatismo da reciclagem (que Keynes estava a propor). [2] 

Como tenho explicado alhures a função de um SRM (e as consequências da sua ausência ) com algum pormenor (ver aqui por exemplo), desistirei de repeti-las aqui. Basta destacar a significância política e económica do endosso de DSK à sugestão de Keynes e, em particular, a sua declaração de que Keynes estava à frente do seu tempo mas que é oportuna agora após o Crash de 2008: "Agora é o momento de avançar. E penso que estamos prontos para fazê-lo!". 

Se o leitor precisar de um pouco mais de persuasão sobre a significância daquela declaração, considere isto: No contexto europeu, a declaração de DSK significa que, do seu ponto de vista, a Alemanha é um problema para a eurozona na mesma medida que a Grécia. Pois se excedentes sistemáticos têm a capacidade de minar uma área de divisa comum (ou de câmbios fixados), então o modelo de desenvolvimento da Alemanha está a minar a eurozona tanto quanto os défices crónicos da Grécia. 

Penso que DSK fez uma excelente observação. Mas o problema não é se o leitor concorda ou não comigo. A questão é a morte política de DSK (o anúncio da qual pode revelar-se prematuro) transmite um significado sem precedentes dentro e fora da Europa. 

Dentro da Europa, a perspectiva de um presidente francês que acredita fortemente (e está pronto a apoiar a sua convicção com uma formidável panóplia analítica) que a eurozona não pode sobreviver sem um Mecanismo de Reciclagem de Excedentes (que canalize excedentes alemães para países em défice sob a forma de investimento produtivo) tem o potencial para alterar radicalmente a agenda política e económica do continente. Tal presidência, em particular, apresentaria um contraponto estimulante à actual incapacidade mental para encarar as causas mais profundas da crise do euro e para reconhecer, finalmente, que a crise da dívida é um sintoma, não a causa, da cadeia de fracassos que ameaça a própria existência da eurozona. 

Mais amplamente, o debate global acerca do que fazer com os crescentes excedentes da China também está destinado a tomar uma rota diferente conforme o presidente do FMI acredite, como DSK declarou fazê-lo, na importância de criar mecanismos automatizados, supranacionais, para reciclar excedentes (em oposição à insistência de Tim Geithner de desequilíbrios globais serem tratados apenas com ajustamentos nas taxas de câmbio). 

Em suma, DSK é um dos raros responsáveis a encabeçarem uma instituição extremamente poderosa que possuem visões refrescantes atípicas de cinzentos burocratas mastigadores de números. Sua passagem política pode ficar desapercebida simplesmente porque o seu mandato no FMI foi curto e a sua presidência francesa agora é improvável que se concretize. Contudo, suspeito fortemente de que possa revelar-se como o mais significativo presidente francês já visto, bem como o mais influente presidente que já houve no FMI.

1.                  BBC Radio 4, Inside the IMF , Part Two, broadcast on 17th January 2011. 
2. Os Estados Unidos demonstraram que não rejeitaram a ideia da própria reciclagem de excedentes ao implementarem o Plano Marshall (um exemplo fabuloso de reciclagem maciça de excedentes) e ao tomarem uma miríade de outros passos entre 1947 e 1970 para reciclar uma ampla percentagem de excedentes americanos na Europa e no Japão. O que rejeitarem foi a ideia de uma instituição supranacional que fizesse a reciclagem foram do controle político de Washington. 

Yanis Varoufakis

[*] Professor de Teoria Económic da Faculdade de Ciências Económicas da Universidade de Atenas. Autor de: The Global Minotaur: The True Origins of the Financial Crisis and the Future of the World Economy (Zed Books, 2011); (com S. Hargreaves-Heap) Game Theory: A Critical Text (Routledge, 2004); Foundations of Economics: A Beginner's Companion(Routledge, 1998); e Rational Conflict (Blackwell Publishers, 1991). 

O original encontra-se em
 http://mrzine.monthlyreview.org/2011/varoufakis170511.html 


2 comentários:

  1. Vale a pena pensar e repensar...Acredito já ter lido algo acadêmico de Kahn (o nome me é familiar), mas não conheço sua biografia a ponto de me posicionar. Mas acredito em "teorias conspiratórias" e se o sujeito incomoda, já viu né? Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Hahahahaa Teorias conspiratórias são a pura realidade, já seu "Confissões de um assassino econômico"?
    leitura interessante. vou colocar como recomendação na próxima semana.
    Abraços e valeu pelas participações!

    ResponderExcluir