quarta-feira, 29 de junho de 2011

Marx: Mais-Valia Absoluta e Relativa


Mais-Valia é um conceito fundamental da economia política marxista, que consiste no valor do trabalho não pago ao trabalhador, isto é, na exploração exercida pelos capitalistas sobre seus assalariados. Marx, assim como Adam Smith e David Ricardo, considerava que o valor de toda a mercadoria é determinado pela quantidade de trabalho socialmente necessário para produzi-la.

Sendo a força de trabalho uma mercadoria cujo valor é determinado pelos meios de vida necessários à subsistência do trabalhador (alimentos, roupas, moradia, transporte, etc.), se este trabalhador trabalhar além de um determinado número de horas, estará gerando não apenas valor correspondente ao de sua força de trabalho (que lhe é pago pelo capitalista na forma de salário), mas também um valor a mais, um valor excedente sem contrapartida, denominado por Marx de mais-vala.

É desta fonte (de trabalho não pago) que são tirados os possíveis lucros dos capitalistas (industriais, comerciantes, agricultores, banqueiros, etc.), além da renda da terra, dos juros, etc. Enquanto a taxa de lucro – a relação entre a mais-valia e o capital variável ( salários) – define o grau de exploração sobre o trabalhador.

Para Marx a mais-valia é dividida entre Absoluta e Relativa. Produção de mais-valia absoluta é um modo de incrementar a produção do excedente a ser apropriado pelo capitalista. Consiste na intensificação do ritmo de trabalho, através de uma série de controles impostos aos operários, que incluem da mais severa vigilância a todos os seus atos na unidade produtiva até a cronometragem e determinação dos movimentos necessários à realização das suas tarefas. O capitalista obriga o trabalhador a trabalhar a um ritmo tal que, sem alterar a duração da jornada, produzem mais mercadorias e mais valor.

Quando esse método encontra os limites da extração da mais-valia absoluta: resistência da classe operária e deterioração de suas condições físicas o segundo caminho, a extração da mais-valia relativa, é que fez do capitalismo o modo de produção mais dinâmico de todos os tempos, transformando continuamente seus métodos de produção e introduzindo incessantemente inovações tecnológicas. Pois é apenas através da mudança técnica que o tempo de trabalho socialmente necessário de determinados bens pode ser reduzido. Aumentos na produtividade resultantes e novos métopdos de produção, nos quais o trabalho morto sob a forma de máquinas assume o lugar do trabalho vivo, reduzem o valor dos bens individuais produzidos.

(Clique para ampliar)

Frederico Matias Bacic

37 comentários:

  1. Explicação clara e direta, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Grande explicação! Passarei a frequentar esse blog depois dessa! Sou estudante de Economia e me interesso muito por esses assuntos. Parabéns e boas festas!

    ResponderExcluir
  3. Uau, você acabou de salvar minha prova de economia política.
    Valeu.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado pelos comentários positivos. Fico muito feliz!

    ResponderExcluir
  5. Senhor Frederico, qual é a melhor explicação, digamos, burguesa, ou do ponto de vista do capital, para explicar a natureza do lucro. Os marginalistas parecem não se dar ao trabalho de esclarecer isso muito bem. Será que Bawerk é que dará a melhor resposta?

    ResponderExcluir
  6. Berço da desigualdade social!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Isso é o que acontece mais naturalmente nas sociedades humanas, não há nada de errado com isso, não se contaminem com essas ideias marxistas, esse cara não prestou, já li 3 obras dele e posso dizer isso muito bem. Eu já li a Questão Judaica, já li O Capital, e o Manifesto Comunista. Algumas ideias são corretas ao meu ver, pouquíssimas, outras, distorções ideológicas absurdas. A culpa de haver miséria não é do pensamento liberal, não é do capitalismo, é da sociedade onde tal se instala. Observamos grandes diferenças econômicas entre Estados Unidos e Brasil, e usando os próprios conceitos de Marx, sabemos que isso puxa pro conceito de formação social. No Estados Unidos isso foi favorecido, o próprio liberalismo usa o estado como forma de qualificação de mão de obra, para que possa existir mercado consumidor para as transnacionais e grandes empresas. Aqui isso dificilmente irá acontecer.

    ResponderExcluir
  8. Yago. Pelas tuas convicções, está claro que se realmente leu, leu muito mal, pois não entende nada de Marx. Fica claro teu equívoco logo que compara suas três obras, como se fossem complementares. Depois ao dizer que entende a origem da riqueza dos EUA como fruto de suas "qualidades sociais", em detrimento das qualidades dos "miseráveis", independentemente de suas relações com o resto do mundo. Além disso, tanto do ponto de vista teórico como histórico, vê-se que vc não entende nada sobre o capitalismo, muito menos sobre crises, que um nem outro não tem nada de natural. Para não te deixar pior, concordo contigo quanto ao problema de alguns marxistas, pois dizer que é marxista não significa dizer que entendeu Marx. Recomendo que estude Economia Política, e Formação Econômica do Brasil (já que vc nos compara com os EUA), de forma séria para ter claro ao menos alguns conceitos que te ajude a entender minimamente tudo isso que você colocou dentro de um balaio e que o interpreta como se interpretasse o mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é preciso ser nenhum gênio para entender Marx .
      Condene a exploração do trabalho humano ,o lucro , a riqueza e a democracia e você entendeu bastante de MARX .Hitler também pensava assim do capitalismo , e fundou o nacional SOCIALISMO.O socialismo só não é internacional mas é tão fascista quanto o nacional SOCIALISMO.

      Excluir
    2. Se dizer socialista qualquer um diz.

      Desculpa, mas seu Ad Hitlerum é falho. (falácia ao comparar alguém a Hitler para usar um argumentum ad hominem).

      Argumentum Ad Hominem é atacar algum argumentador e não seu argumento.

      Logo seu argumento é baseado em falácias (estude Debate e falácias, está dentro de filosofia).

      Excluir
  9. Obrigado pela explicação.Curo Direito e estou no primeiro período e este assunto apareceu na matéria de ciências sociais.Nao havia entendido muito bem e agora com este artigo bem elaborado e esclarecedor consegui esclarecer minha dúvida.Obrigado novamente.

    ResponderExcluir
  10. Achei Boa, básica, consistente, direta, explicativa, facil de entender, gostei, inteligente, jamais deixarei de acessar esse blog, lamento que haja muito preconceito sobre a teoria marxista, principalmente no meio academico, massa viu, notável, ótima, porreta, queremos mais matérias sobre o marxismo, resta dizer que somente com a teoria da economia politica marxista-leninista: uni-vos proletários de todo mundo. Viva a Revolução Socialista no mundo! O xis da questão esta no Capital e Zapata vive!
    F. K.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. anônimo vc deve ter comido bosta. cuidado o militares estão chegando e vcs serão fuzilados em praça publica praga vermelha

      Excluir
  11. Caramba, muito boa a explicação :)

    ResponderExcluir
  12. ótima explicação, estou começando agora a faculdade de Serviço Social e essa explicação me ajudou e muito.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Parebéns pelo conteudo, extremamante completo e claro.

    ResponderExcluir
  14. Gostei muito da sua explicação. Como faço formação em Psicanálise, precisei entender esta mais valia, p/ entender o mais gozar em Lacan (Seminário-16).

    ResponderExcluir
  15. Gostaria muito de ouvir as soluções propostas, pelo próprio autor, e pelos "camaradas" que teceram comentários à essa questão...

    ResponderExcluir
  16. Para os "kamaradas" que aplaudem e acham que a "mai$ valia" é a ÓTIMA teoria e que melhor explica a exploração do trabalho, saibam que existe uma solução muito simples para cortar o mal pela raiz; mandem seus patrões pra PQP e montem sua própria empresa, arquem com a absurda carga tributária de 40%, tentem cumprir com todas milhares de regulamentações de setor que escolherem, pagar todas as várias "contribuições" sobre a folha de pagamento e dobrem as suas jornadas de trabalho pra TENTAR dar conta de tantos compromissos. Quando fizerem isso, e se não fecharem as portas em menos de 1 ano, como a maioria dos que tentaram "virar a mesa", descobrirão que a verdadeira "mais valia" é aquela quase metade do suor de trabalhadores e de patrões que vai direto para bolsos, malas, cuecas e meias de governantes, sindicalistas e de toda corja de, estes sim, parasitas. Por sinal, TODOS eles socialistas "roxos". Se não ficarem malucos e se no final sobrarem ainda uns 2 neurônios, vão conseguir entender a picaretagem que lhe enfiaram na cuca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk' Socialistas . Falácia, se dizer socialista ou qualificar alguém é fácil, eu quero ver evidênciar que a prática deles condiz com as teorias socialistas.

      É clássico de ultra-liberalistas (vulgos ancaps), culpar o Estado Malvadão, e adorarem o Deus Mercado.

      Existem sim abusos do Estado, mas estes não são os únicos opressores.

      Até porque o Estado tem que submeter a quem? Advinha.

      O mundo não é dividido apenas em Estado, Empresários e prolateriado, existe subdivisões.

      Quer uma dica de um detalhe que lhe atrapalha? Corporativismo. Tem outras questões também.

      Excluir
  17. E os adicionais de horas extras, aonde se encaixariam no mais-valia?

    ResponderExcluir
  18. parabéns muito boa explicação!!! :)

    ResponderExcluir
  19. Ajudou muito, explicação clara e direta!

    ResponderExcluir
  20. Na mais valia Absoluta, o horário de trabalho não é extendido? Pelo que li aqui, ele é explorado de forma máxima, mas não extendido, mas pelo que eu entendi nas aulas (e em sites como o wikipédia), na mais valia absoluta o horário é sim extendido... Então, como fica? haha

    ResponderExcluir
  21. Muito boooooom!!!! Adorei esse blog!!!

    ResponderExcluir
  22. Gostei, bem didatico

    ResponderExcluir
  23. Muito boa explicação. Mas não concordo com o mais valia. Como diz o ditado: o combinado não sai caro. O dono de uma empresa tem seus gastos com matéria-prima, manutenção da empresa (aluguel, água, luz, imposto), teve que começar debaixo pra comprar o que tem ou herdou de alguém que trabalhou p conseguir o capital investido, então nada mais justo que alguém que foi contratado pra fazer um serviço o faça com empenho e dedicação. O capitalismo não é injusto, é mal aplicado.

    ResponderExcluir
  24. Ronaldo Bello Fontes6 de abril de 2014 23:46

    Genial, parabéns!

    ResponderExcluir
  25. Poderiam me ajudar com o Trabalho?
    "Explique o comceito de "Mais valia " diferenciando seus tipos e falanfo suas caracteristicas fazendo ligação com a "alienação da força d trabalho "do proletariado pelo burgues "

    Nn entendo nada dessas coisas ;/

    ResponderExcluir
  26. Sua definição de mais-valia relativa está ERRADA, meu amigo. Tem a ver com ganhos de produtividade na setor de meios de subsistência do trabalhador...

    ResponderExcluir