quinta-feira, 17 de março de 2011

Miriam Leitão (O Retorno): Não houve queda de carga tributária, mas sim privilégio

Postagem original em Dez 2009



Olá leitores, vamos ler esse trecho da matéria de Miriam Leitão:

" Isso mostra que o ministro Guido Mantega estava errado quando dizia que estava reduzindo a carga tributária. Na verdade ele estava dando privilégios para alguns setores, como os fabricantes de carros, que receberam do governo uma renuncia fiscal de R$ 10 bilhões. Isso não é reducão de carga tributária. é ajuda aos setores. É política velha, que sempre foi feita no país e que tem uma característica: a ajuda é maior para os setores com maiores lobbies. Um pais que cobra imposto de remédio de uso constante e de alimentos, reduz imposto de carro. Na minha visão não faz muito sentido.

O que faz sentido seria reduzir a tributação que recai sobre o emprego no Brasil. E de uma forma geral. Se ficar mais barato emprego o governo estará dando um empurrão para a criação de emprego que é o grande desafio atual. E isso poderia ajudar todos os setores, principalmente os que dependem de muita mão de obra.


Ajuda setorial é atendimentod e lobby, distorce e privilegia. Reducão de carga tributária tem que ser com medidas gerais que beneficiem todos os setores. O que o governo fez no ano passado foi privilégio. Alguns receberam alívio, o resto da economia continuou pagando muito imposto apesar da crise e a conta do IBPT mostra isso."


Comentários Frederico Matias Bacic:


Agora que lemos vamos pensar um pouco... pronto.. acho que pensamos bastante já. Vamos aos fatos:

1) Sem dúvida a redução do IPI foi de grande importância para que o Brasil conseguisse escapar e reduzir os efeitos da crise internacional no ano passado.

2)Miriam, é claro que iriam reduzir impostos de bens industrializados como: carros, linha branca e, também, da construção civil, por um simples motivo geram muitos empregos. A indústria automobilística e de linha branca tem uma gama enorme de setores ligado a eles, puxa a economia. Diferente do setor agrícola. Não consigo imaginar a forma que o Brasil teria saído da crise abaixando impostos sobre alimentos, ou remédios, ao invez de bens industrializados. Estariamos no fundo do poço agora, com um monte de desempregados sem dinheiro para comprar os alimentos com redução de impostos.

3) Reduzir tributação sobre emprego, Miriam? Para que? Por quê a indústria contrataria mais como uma demanda desaquecida? A redução no IPI foi de grande importância para manter a demanda aquecida e evitar maiores demissões. Reduzir a tributação sobre o emprego teria sido em vão.

4) "Reducão de carga tributária tem que ser com medidas gerais que beneficiem todos os setores. O que o governo fez no ano passado foi privilégio". Miriam, foi feita onde era essencial, não era necessário espalhar isso para os outros setores. E pelo jeito você mesma esqueceu que criticou quando estenderam essa medida para a indústria moveleira, né?


Frederico Matias Bacic